quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Agricultura sustentável para o amanhã

Agricultura produtiva e sustentável é essencial para o atendimento das demandas da sociedade. Temos cada vez menos pessoas trabalhando na zona rural para uma população urbana crescente e exigente. As exigências não são apenas por quantidade de produtos agropecuários, mas por qualidade e rastreabilidade, o que implica que o consumidor quer saber como foi o processo de produção, tanto sobre aspectos agronômicos, mas também ambientais e sociais.

Os consumidores de alimentos, agroenergia, fibras, plantas ornamentais etc. estão em busca de produtos certificados, que garantam que se trata de alimentos saudáveis, energia limpa e renovável e fibras que tenham sido produzidas sem destruição de matas nativas. É fundamental que novas tecnologias sejam incorporadas aos processos produtivos  para que os recursos naturais sejam preservados, garantindo o atendimento das demandas das próximas gerações.

Este é o objetivo do 67º SIMPAS, em Sinop, Mato Grosso, que termina hoje (25). O título do evento 'Agricultura sustentável para o amanhã' deixa claro a preocupação dos realizadores e promotores. Contribuir, através de uma série de palestras de alto nível e debates com os agentes de desenvolvimento rural da região, a necessidade de atualização tecnológica, da assimilação das inovações, na produção agrícola sustentável.

São muitos os fatores que influenciam a produtividade agrícola. Estes fatores estão interrelacionados, exigindo que os profissionais, responsáveis pela produção, tenham uma sólida formação básica, competências profissionais amplas e generalistas e que estejam sempre se atualizando.  São muitos os profissionais que atuam no agro, como engenheiros agrônomos, engenheiros florestais, engenheiros agrícolas, biólogos, economistas, administradores, técnicos agrícolas etc. Todos necessitam de uma visão ampla do agronegócio que será t ema de uma palestra 'Tecnologia e gestão no agronegócio'. Os insumos agrícolas (fertilizantes, defensivos e sementes e mudas), cada vez mais importantes na produção, serão abordados em diversas palestras sobre fertilidade do solo, defesa fitossanitária e importância da qualidade das sementes.

Estes insumos devem ser aplicados de maneira adequada, utilizando máquinas e equipamentos apropriados, devidamente calibrados e regulados e manejados por operadores qualificados; estes temas terão destaque nas apresentações. Também terão destaques as boas práticas agrícolas contempladas em palestras sobre segurança dos trabalhadores e alimentos seguros.

Os palestrantes são profissionais altamente qualificados, comprometidos com a transferência de tecnologia e extensão rural. Os participantes serão agentes multiplicadores e lideranças regionais, que, durante as discussões, poderão demonstrar suas experiências e colaborar com a difusão de novas tecnologias e procedimentos. Este evento ocorre desde 1990 e já foi realizado em todo o Brasil, deixando marcas fortes por onde passou: aprimoramentos nos processos produtivos. São 25 anos de trabalho ininterrupto, patrocinado pelas entidades ANDEF, ANDA, IPNI, ABRASEM, ABIMAQ e ABAG. Este ano, os realizadores são instituições de ensino da região: UFMT/Campus Sinop, IFMT/Campus Sorriso, UNEMAT/Campus Sinop e FACEM.  Assim, estudantes de ciências agrárias da região também poderão se beneficiar, pois terão a oportunidade de assistirem brilhantes palestras e discussões, que complementarão os ensinamentos das salas de aula.

Por José Otavio Menten é Diretor Financeiro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS), Vice-Presidente da Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior (ABEAS).

Fonte: Conselho Científico para Agricultura Sustentável, CCAS