terça-feira, 24 de novembro de 2015

A decadência da cajucultura

Os preços do caju (pedúnculo), da castanha-de-caju e das amêndoas nunca estiveram tão altos como os atuais. A oferta continua reduzida, já que as condições climáticas não foram suficientes para que os cajueiros tivessem produtividades normais. A seca vem atingindo as plantas há 4 (quatro) anos. Muitas arvores antigas improdutivas foram desbastadas. Essa situação se estende por todo o semiárido. A produção de caju e castanha in natura esperada deste ano (safra 2015/2016) é praticamente oriunda da variedade anão precoce.
 
A solução para recuperar a produção da cajucultura será pela opção do plantio de novas áreas com a variedade do caju anão precoce, pois, além de ser mais resistente à seca, se adapta muito bem, principalmente, com o maior uso de tecnologia e sobretudo com a irrigação.
Preço da castanha in natura recebido pelo produtor no RN: entre R$ 3,50/kg e R$ 4,30/kg;
Preços das amêndoas tipos 1 e 2 (beneficiadas) recebidos pelos produtores no RN: entre R$ 40,00 e R$ 48,00/kg