domingo, 8 de junho de 2014

Castanha-de-caju in natura

O Viet Nam é o maior produtor mundial de castanha-de-caju. Responde por 28,7% do total produzido em todo o mundo. Em segundo e terceiro lugares vem à Nigéria e a Índia, respectivamente. O Brasil que ocupou o 5º lugar em 2011, retrocedeu para o 10º lugar em 2012. Isso foi devido às estiagens ocorridas nos principais estados produtores. Por conta disso, a produção mundial em 2012 foi 3,7% menor que a do ano anterior, conforme mostram os Quadros a seguir.
Produção mundial de castanha-de-caju – safra 2011
Ordem
País
SAFRA 2011
Toneladas
Part.%
1
Viet Nam
1.237.300
28,7
2
Nigéria
835.000
19,4
3
Índia
674.600
15,7
4
C.Marfim
393.000
9,1
5
Brazil
230.785
5,4
6
Benin
162.986
3,8
7
Philippines
133.388
3,1
8
G.Bissau
128.684
3,0
9
Tanzânia
122.274
2,8
10
Indonésia
114.600
2,7
9
Outros
277.410
6,4
Fonte: FAO
Produção mundial de castanha-de-caju – safra 2012
Ordem
País
SAFRA 2012
Var.% 11/12

Toneladas
Part.%

1
Viet Nam
1.190.900
28,7
-3,8

2
Nigéria
836.500
20,1
0,2

3
Índia
680.000
16,4
0,8

4
C. Marfim
450.000
10,8
14,5

5
Benin
170.000
4,1
4,3

6
Philippines
132.541
3,2
-0,6

7
G.Bissau
130.000
3,1
1,0

8
Tanzânia
122.274
2,9
0,0

9
Indonésia
117.400
2,8
2,4

10
Brasil
80.630
1,9
-65,1

9
Outros
242.070
5,8
-12,7


Total Mundial
Safra 2011: 4.310.027
Total Mundial
Safra 2012:
4.152.315
-3,7
Fonte: FAO
A temporada 2010/2011 foi uma das melhores dos últimos anos para a cajucultura brasileira. As condições climáticas foram favoráveis. Nessa safra, o país produziu 230.785 toneladas de castanha-de-caju in natura. O Rio Grande do Norte produziu 54.252 toneladas. Mesmo contando com maior oferta do produto, os preços foram remuneradores para os produtores rurais e consequentemente rentáveis para toda a cadeia produtiva.
A produção brasileira de castanha referente à safra de 2012/2013 foi 67% menor em relação ao período anterior. A do Rio Grande do Norte a redução foi 66,8% no mesmo período. Isso, por causa da seca que atingiu praticamente toda a região semiárida. Por conta da escassez da matéria-prima, muitas fábricas de beneficiamento foram fechadas e as grandes indústrias foram obrigadas a importar castanhas in naturas dos países africanos.

Comparativo da produção de castanha-de-caju – em toneladas
Ano/Safra
Produção Brasil
Variação (%)
Produção RN
Variação (%)
2011
230.785
-
54.252
-
2012
76.054
(67,0)
18.003
(66,8)
2013
138.474
82,1
28.109
56,1

O Quadro a seguir mostra a evolução das importações feitas pelo Brasil durante o período de 1999 a 2013. Demostra, ainda, que as maiores importações da matéria-prima (castanha-de-caju in natura) se deram nos anos de 2011, 2012 e 2013. Tal fato ocorreu devido a forte estiagem verificada em toda Região Nordeste nos três últimos anos, notadamente nos principais Estados produtores como Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte.

Castanha-de-caju
Importações Brasileiras
ANO
Quant.
Valor
(t)
US$1000FOB
1999
9.655
8.248
2000
6.445
4.933
2001
0
0
2002
0
0
2003
1
10
2004
1
6
2005
0
0
2006
0
0
2007
0
0
2008
9.467
6.898
2009
4.472
3.040
2010
0
0
2011
43.698
57.393
2012
59.450
58.023
2013
42.176
29.446
Fonte: SECEX






São otimistas as perspectivas do setor da cajucultura brasileira com relação à safra deste ano (2014/2015). Até então, as condições climáticas vem contribuindo para a concretização desse otimismo. Entretanto, como o inicio da colheita da safra brasileira começa a partir de agosto, se estendendo até janeiro do próximo ano, é prudente aguardar outros fatores que influenciam no desenvolvimento dos cajueiros.